Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
Camelo Maio 2020
El Faro - Campanha de Verão
Elióptica 2020 - Proteja os olhos
Bricoelvas
CME Vote Roncas de Elvas
Elióptica 2020 - Loja Online
Nabeirauto - 2020
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeirauto - 2020

sondagem publicada dia 30 de janeiro de 2020

86,7% dos portugueses não são contra as touradas

30,3% são aficionados e 67,1% não votaria num partido que as tente proibir

31 Janeiro 2020

um total de 1100 entrevistas telefónicas validadas e um erro máximo da amostra de 2,92% para um grau de probabilidade de 95%. 

Na resposta à pergunta "Qual a sua postura em relação às touradas?" 30,3% dos inquiridos diz que é aficionado, por seu lado 33,7% diz que o tema lhe é indiferente, 22,7% diz não gostar mas respeita a liberdade de escolha e apenas 11% afirma ser contra a realização das mesmas. Há ainda uma diminuta percentagem de 2,3% que disse não saber a resposta ou preferiu optar por não responder. Assim, 86,7% não tem uma posição contrária às Touradas. 

Outro dado a ter em conta encontra-se no desdobramento por faixa etária, em que 30% dos jovens entre os 15 e 30 anos se declara como aficionado. Cerca de 29% diz que lhe é indiferente, 24% não gosta mas respeita a liberdade de escolha e apenas 15% é contra. 

Outra das perguntas a que os entrevistados responderam nesta sondagem foi: "Já assistiu ou costuma assistir a touradas ao vivo?". Nesta questão 50,5% afirmam que sim e 43,3% diz que não, sendo que 6,2% diz não saber a resposta ou simplesmente opta por não responder. 

Quando questionados sobre se "o espectáculo taurino contribui para a imagem do nosso país?", os dados são esmagadores. A maioria, com 56,3%, diz que a arte tauromáquica contribui de forma positiva para a imagem de Portugal, enquanto 33,1% diz não ter qualquer impacto e apenas a esmagadora minoria de 4,4% diz contribuir de forma negativa. Há ainda 6,2% de inquiridos que optou por não responder. 

Relativamente à pergunta "Votaria num partido que tomasse medidas proibitivas contra actividade cultural contra touradas ou largadas de toiros?", 67,1% dos portugueses inquiridos responde que não. Apenas 14,5% responde afirmativamente e 18,4% diz não saber ou opta por não responder. 

Na reação a esta sondagem - a ProToiro vem regozijar-se publicamente pela imagem positiva que a arte tauromáquica tem junto dos portugueses. Nas palavras de João Santos Andrade, Presidente da ProToiro: "por muito que uma ruidosa minoria continue a espalhar mentiras sobre a festa, a tauromaquia dá cada vez mais provas de que continua bem viva e a crescer, principalmente junto das novas gerações". O Secretário-Geral da ProToiro, Hélder Milheiro, acrescenta: "esta é uma mensagem clara ao poder político e é também a prova de que o povo português está frontalmente contra medidas discriminatórias da arte tauromáquica em relação às outras manifestações culturais, nomeadamente no que ao aumento da taxa de IVA diz respeito".

Do ponto de vista do consumo de marcas associadas à tauromaquia 84,9% dos portugueses diz que "Não deixaria de comprar", apenas 6% afirma que deixaria de comprar essas marcas e 9,1% diz não saber ou ser indiferente. 

Já no que diz respeito à assistência de espectáculos taurinos por menores de idade, 71,1% dos inquiridos afirma que deveria ser "a família" a tomar essa decisão, 20,2% acha que deveria ser o Estado e 8,7% das pessoas dizem não saber ou não querer responder. 

Quando questionados sobre a gravidade cultural do desaparecimento das touradas, 70,5% dos portugueses afirma que tal seria grave ou muito grave. Apenas 19,1% dizer ser pouco grave e 6,5% nada grave. 3,9% não sabem ou não respondem. 

Um dado a reter também é o facto de 65,4% dos inquiridos afirmar já ter assistido ou costumar assistir a espectáculos tauromáquicos na televisão. Apenas 32,7% nega fazê-lo e 1,9% afirma não saber ou não querer responder. 

No desdobramento por região verifica-se que o maior número de aficionados se encontra a sul, norte e centro do país.  36% dos portugueses a sul do país diz ser aficcionado, 31,7% no centro, 31,5% no norte, 30,6% na Área Metropolitana do Porto e 26,3% na Área Metropolitana de Lisboa. 

Este estudo foi pedido pela ProToiro, Federação Portuguesa de Tauromaquia, e tem como objectivo aferir a opinião dos portugueses face às actividades tauromáquicas.