Linhas de Elvas
Elióptica Junho 2018
Nutriprado
Sanielvas 358x90 - Nov17
Bricoelvas
Sanielvas 358x90 - Nov17
Américo Nunes
Bricoelvas
Assine Já

Elvas

Campo de férias do MTA acolheu 21 adolescentes (C/FOTOS)

O campo de férias do MTA, “O Bando dos Quatro”, iniciou-se dia 4 de Julho, onde a equipa orientadora, constituída por nove monitores e uma religiosa teresiana, teve um dia de formação, reflexão e oração, a fim de se preparar para, de forma gratuita e responsável, acolher os 21 adolescentes.

Texto: Fátima Magalhães stj

16 Julho 2018

O campo de férias do MTA, “O Bando dos Quatro”, iniciou-se dia 4 de Julho, onde a equipa orientadora, constituída por nove monitores e uma religiosa teresiana, teve um dia de formação, reflexão e oração,  a fim de se preparar para, de forma gratuita e responsável, acolher os 21 adolescentes que no dia seguinte, dia 5 de Julho, chegariam, bem cedo,  à Quinta de S. João, para quatro dias de alegre convívio, actividades lúdicas, lazer, festa e vida, muita vida,  no campo, em contacto com a natureza.

Os monitores, jovens mais velhos do MTA, foram preparados para acolher cada criança como um mistério de Deus e a palavra de ordem era ”acolher cada um, como quem acolhe o próprio Jesus”. Cada um devia pôr todo o seu empenho para que, durante esses dias, essas crianças fossem felizes.

Todos os dias foram preenchidos com actividades lúdicas, momentos de oração e reflexão, na oração da manhã e da noite, jogos, caminhadas, dentro da quinta, banhos no tanque, jogos temáticos, ajuda nas pequenas tarefas da vida no campo, com equipas organizadas para isso, partilha de talentos, teatros, canções, mímicas, entre outros.

Neste campo de férias tivemos a preocupação de mostrar quão importante é o valor da amizade e de conhecer melhor os Amigos do MTA. Como diz o papa Francisco “a vida não é fácil mas com uma equipa fantástica, a do céu, vamos conseguir” . No MTA são apresentados aos jovens quatro amigos que devem estar sempre presente no nosso caminhar: Jesus, o caminho, Verdade e Vida, Maria, a porta que nos leva a Jesus, Teresa de Jesus, que nos diz “que não estamos vazios, Jesus mora dentro de nós, como um tesouro” e Henrique de Ossó, fundador do MTA, e que nos ensina a estar na vida fazendo sempre “tudo por Jesus”. Daí o nome do campo, “ O Bando dos quatro”, porque tudo devia ser vivido segundo as orientações destes quatro amigos. Antes foi dada uma formação aos monitores sobre estes quatro mestres do MTA.

Se as actividades do campo fizeram felizes os participantes os monitores foram os primeiros a ganharem com a sua entrega e dedicação:

Oiçamos os seus testemunhos:

“Este campo deu-me espaço para eu crescer na Fé e ajudar outros a fazê-lo. Criei ligações que nunca esperei criar. Com este campo a minha vontade de continuar no MTA cresceu, porque entendi o quanto posso ganhar com esta família que é o MTA, por isso fico grato a Deus por tudo o que passei e espero poder repetir esta experiência.” (Luís Baptista).                  

“O feedback das crianças foi excelente, adoraram as actividades propostas e o último dia custou bastante, ter de ouvir o fechar das camaratas e as crianças a chorar foi algo que me tocou imenso e serviu para crescer enquanto pessoa e a intensificar a minha caminhada na fé. Recomendo a toda a gente esta experiência porque foi sem dúvida A MELHOR DA MINHA VIDA. As amizades intensificaram-se mais que nunca, falta-me as palavras para o descrever… (Maria Alice Eduardo).

“Comecei este campo com um objectivo, esse objectivo que era de passar aos mais novos o verdadeiro significado do MTA e ajuda-los a crescer na Fé. Foi um orgulho para mim ser monitor, pois comecei no MTA no meu quinto ano,  com apenas 10 anos de idade, como participante e hoje em dia com 17 anos sou monitor e ver esta evolução foi simplesmente inigualável para mim.  (Francisco Dores).

“Vem e inflama, a minha fé, fé a arder”, foi das frases (cantadas) que mais me fizeram bem. Para além de todas as actividades, o que mais fez o campo ter sentido foi, sem dúvida, a Eucaristia, (não estive presente, mas o resto dos monitores partilharam tudo, momento a momento). Na Eucaristia final agradecemos a Jesus toda a força, a Maria toda a protecção de Mãe, a Henrique e Teresa todos os exemplos que devíamos seguir” (Maria  Chaparro).

“Posso afirmar que, depois de cinco anos como monitora, este foi um dos meus acampamentos preferidos e sendo o meu último acho que o vivi de uma maneira especial. Chegou a hora de passar a pasta e tenho a certeza que não podíamos ter escolhido melhores sucessores. Desejo-lhes força, motivação e muita alegria para que continuem a fazer a diferença num mundo onde não está na moda ser cristão.” (Ana Moreira).

“Foi o meu primeiro acampamento como monitora e ficou marcado no meu coração, não só por ter sido o primeiro mas também pelas pessoas que me acompanharam, para não falar das crianças que ao se terem entregue  tornaram tudo mais fácil. Não tenho nenhuma dúvida que quero levar estas pessoas para a minha vida”. (Beatriz Vaz).

“Com início a 4 de Julho, os monitores reuniram-se na quinta de São João para uma pequena formação para assim estarmos preparados para recebermos os 21 participantes no dia 5, esses que traziam muita alegria e energia.. Pude ver Jesus em cada participante, tal como a Irmã  Fátima,  ( que foi incansável ) nos pediu, tantas e tantas vezes, para o fazermos. Foram 4 dias cheios de amor, com momentos bons e alguns menos bons, e sempre a conseguirmos superar graças à excelente equipa que tínhamos. Cada lágrima que houve no último dia, após a Eucaristia, encheu-me o coração. Foi muito gratificante ter visto que tocámos nos corações das crianças e termos marcado as suas férias.” (Margarida Latas).

Faltam ainda mais testemunhos, que escreveremos noutro momento, mas estes são suficientes para mostrar que o campo de Férias, “O bando dos quatro”, foi rico de experiências profundas para adolescentes  e monitores que marcaram de certeza as suas vidas no futuro.

Ver as crianças chorar de saudades e não querer ir embora é a prova de que valeu a pena tanto empenho, tanto esforço e não desistir perante as dificuldades. Tudo isto me leva a acreditar que com Jovens assim, solidários e empenhados, um mundo melhor é possível.