Linhas de Elvas
Elióptica Julho 2019
Nutriprado
Liberdade Branco
Assine Já
Liberdade Branco
Sanielvas 358x90 - Nov17

Igreja do século XVI em Évora alvo de obras de requalificação de 2,5 ME

Construída pelos Jesuítas entre os anos de 1566 e 1572, a igreja situa-se no centro histórico da cidade alentejana, "paredes meias" com o Colégio do Espírito Santo, o principal edifício da Universidade de Évora (UÉ).

30 Outubro 2019

A Igreja do Espírito Santo, em Évora, construída no século XVI, vai ser alvo de obras de requalificação, num investimento de quase 2,5 milhões de euros, com apoio de fundos comunitários.
A candidatura do projeto de requalificação do imóvel ao Programa Operacional Regional Alentejo 2020 foi aprovada e o concurso público para a empreitada já foi lançado, indicou hoje o Seminário Maior de Évora, que é a entidade adjudicante.
Construída pelos Jesuítas entre os anos de 1566 e 1572, a igreja situa-se no centro histórico da cidade alentejana, "paredes meias" com o Colégio do Espírito Santo, o principal edifício da Universidade de Évora (UÉ).
A intervenção, com um prazo de execução de um ano e meio, segundo os promotores, inclui "obras de restauro, estrutura e consolidações, infraestruturas elétricas, mecânicas, águas e esgotos, museológicas e acessibilidades exteriores".
A requalificação vai "dotar o edifício de todas as condições necessárias para o tornar num ponto de referência do património cultural, devocional e turístico da cidade", frisou o Seminário Maior de Évora.
Após as obras, acrescentou, está prevista "a abertura regular da igreja ao público e o acesso a espaços antes reservados, como a sacristia e o conjunto de pinturas murais do teto".
O programa comunitário Alentejo 2020 vai financiar 75% do valor das obras e os restantes 25% são assumidos pelo Seminário Maior de Évora, indicou a instituição, assinalando que o concurso público para a empreitada foi publicado esta semana em Diário da República.
Desenvolvido pelo Seminário Maior de Évora, o projeto conta com a parceria da Direção Regional da Cultura do Alentejo e do Laboratório HERCULES da UÉ.