Linhas de Elvas
Nutriprado
Elióptica Julho 2019
Legislativas Especial Semana à Sexta
Assine Já
Sanielvas 358x90 - Nov17

Movimento Cívico por Elvas afirma, em conferência de imprensa

“Situação financeira da Câmara Municipal de Elvas é preocupante”

Movimento abordou diversos temas da actualidade concelhia.

27 Junho 2019

O Movimento Cívico por Elvas (MCE) escolheu o cenário da Praça da República, em pleno Centro Histórico, hoje bem mais movimentado devido à montagem da Feira Medieval que se se irá realizar no fim de semana, para uma conferência de imprensa onde José Bagorro, Anabela Cartas e Carlos Martins abordaram diversos temas relacionados com a actualidade concelhia.
José Bagorro referiu que “o novo Regulamento de Taxas Municipais” recentemente aprovado em reunião de Câmara, realizada ontem, quarta-feira 26 de Junho, irá “certamente representar um aumento para os munícipes terem que pagar. Dois importantes documentos vão entrar em inquérito público, pelo que os elvenses vão poder apresentar as suas sugestões, opiniões ou reclamações, documentos que, em nosso entender, a Câmara municipal parece estar sempre à procura de novas receitas”.

Insegurança abordada

José Bagorro abordou igualmente o tema da insegurança, algo que “preocupa os elvenses e foi objecto de reportagem por um dos canais de televisão nacionais. É evidente que a posição do Movimento só pode ser uma: depositar toda a confiança nas autoridades locais para que possam envidar todos os esforços para resolver este grave e real problema com que nos debatemos. Não vale a pena escamotear a verdade. É um problema que existe, é real e só as autoridades podem tomar as medidas necessárias para pôr termo a um problema que a todos preocupa”. O elemento do MCE e ex-vereador congratulou-se ainda com o novo compromisso depositado pela autarquia nos vereadores Rondão Almeida e Anabela Cartas, elementos que passarão a estar responsáveis pelo Centro de Negócios Transfronteiriço.

“Saúde está melhor depois de intervenção do MCE”

Carlos Martins congratula-se com a situação actual do Hospital de Santa Luzia que, “já dispõe de um novo TAC e o novo aparelho de RX, apesar da falta de médicos radiologistas”. Segundo o conferencista, tal “deve-se à intervenção do Movimento que, em conferência de imprensa efectuada em Maio passado, denunciou diversas carências no HSLE, nomeadamente salários em atraso dos médicos, hoje em dia já regularizados”. Tudo isto prova, segundo Carlos Martins, que “o Movimento não está adormecido”.
“O mamógrafo existente continua, no entanto, inoperante”.

“Situação financeira do Município é preocupante”

Anabela Cartas, vereadora municipal, abordou a situação financeira do Município que considera “preocupante após a aprovação pela maioria socialista de mais um empréstimo, no valor de dois milhões e setecentos mil euros”, verba que vai ser financiada pela Caixa Geral de Depósitos. Tal financiamento irá “contribuir para o endividamento da nossa Câmara Municipal, isto para assumir um encargo que não é da sua responsabilidade”, referindo-se à obra da nova escola de Santa Luzia que, “apesar (daquele estabelecimento de ensino) não reunir condições de funcionamento, a construção teria que ser assumida pelo governo central”. Segundo Anabela Cartas, “vamos ficar com uma dívida de dois milhões e setecentos mil euros ao longo de quinze anos, o que significa um encargo anual para o município de 200 mil euros por ano, pagos semestralmente. A nossa Câmara Municipal está com sérias dificuldades financeiras e, por esse motivo, é que está, neste momento, a aumentar as taxas, a água, a aumentar tudo para que os elvenses suportem esta má gestão”, concluiu.


"Dinheiro da venda da herdade não aparece”

Questionada pelo nosso jornal se a verba obtida pelo município com a venda da Herdade de D. João não seria suficiente para evitar este endividamento, Anabela Cartas refere que “no saldo contabilístico da Câmara que é feito em todas as reuniões, este dinheiro não aparece. A herdade foi vendida por mais de três Milhões de euros e, neste momento, o saldo que a Câmara tem em bancos é de um milhão e qualquer coisa, ou seja, pelo menos dois milhões já desapareceram e não sabemos para onde”.

João Alves e Almeida