Linhas de Elvas
Elióptica Natal 2019
Nutriprado
CCDRA 3º Trimestre 2019
Liberdade Branco
Jocriauto
Assine Já
Jocriauto
Liberdade Branco
Sanielvas 358x90 - Nov17

Portalegre

Homem mordido por víbora na Serra de São Mamede

Um homem, que reside em Portalegre, foi mordido por uma víbora-cornuda quando corria na Serra de São Mamede, em Portalegre.

01 Maio 2019

Um homem, que reside em Portalegre, foi mordido por uma víbora-cornuda quando corria na Serra de São Mamede, em Portalegre.

O indivíduo, segundo refere o jornal Alto Alentejo, foi transportado para uma unidade hospitalar de Lisboa esta quarta-feira, dia 1 de Maio, na sequência de uma mordida numa perna de um exemplar desta espécie.

Características da víbora-cornuda

A Víbora-cornuda, Vipera latastei, pode medir até 70 cm de comprimento total. Possui uma cabeça bem definida, de contorno triangular. O extremo do focinho é muito proeminente, com 3 a 7 escamas apicais que formam um apêndice nasal típico da espécie (daí o nome de cornuda). A pupila é vertical com íris amarelada ou dourada e com pigmentos escuros.

Possui um corpo relativamente grosso e coberto dorsalmente por escamas fortemente carenadas (com uma saliência longitudinal). A cauda é curta e muito mais fina em relação ao resto do corpo. A parte superior é cinzenta ou acastanhada, por vezes com manchas amarelas, alaranjadas ou avermelhadas. Na região vertebral aparece um ziguezague mais escuro com o bordo mais contrastante. Na parte posterior da cabeça existem 2 manchas escuras que formam uma espécie de V invertido.

Os machos distinguem-se das fêmeas por possuírem uma cauda mais larga e maior número de escamas sub-caudais (entre a cloaca e a ponta da cauda). É frequente as fêmeas apresentarem cores menos contrastantes.

Encontra-se na maior parte da Península Ibérica, excepto no extremo noroeste, e também no norte de África.

Há cerca de 20 anos esta espécie era relativamente frequente em Portugal. No entanto, ultimamente tem sofrido um declínio acentuado.

(fonte: naturlink.pt)