Linhas de Elvas
Nutriprado
Elióptica Julho 2019
Linhas Rádio 2019
Assine Já
Sanielvas 358x90 - Nov17

“Recognize & Change”

CIMAA forma jovens educadores para workshops sobre discriminação

A Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) realizou este fim-de-semana, dias 9 e 10 de Março, a formação do grupo de 14 jovens educadores que este ano terão a missão de trabalhar a temática da diversidade e discriminação no âmbito do projecto “Recognize & Change”.

13 Março 2019

A Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) realizou este fim-de-semana, dias 9 e 10 de Março, a formação do grupo de 14 jovens educadores que este ano terão a missão de trabalhar a temática da diversidade e discriminação no âmbito do projecto “Recognize & Change”.
O “Recognize & Change” iniciou a sua acção em 2018, tem a duração de três anos e é co-financiado pela Comissão Europeia - DG EuropeAid. Envolve parceiros do Brasil, Bulgária, Cabo Verde, Espanha, França, Grécia, Itália e Roménia, sendo a CIMAA a entidade que representa Portugal neste projecto.
O primeiro ano foi dedicado à temática da “Identidade e Relações” e em 2019 o “Recognize & Change” focará a sua acção no tema da “Diversidade e Discriminação”, sendo que as suas atividades e workshops serão direccionado aos alunos do ensino básico.
Dando continuidade à disseminação do projecto no seu segundo ano de acção, e com o objectivo de envolver o maior número possível de jovens, a equipa do “Recognize & Change” da CIMAA tem vindo a realizar reuniões de apresentação com as direcções e professores dos Agrupamentos de Escolas de Campo Maior, Monforte e Portalegre.
A realização da formação dedicada aos jovens educadores é um momento importante nas actividades do projecto e permitiu que, usando técnicas e dinâmicas de educação não-formal, este grupo se preparasse para a realização dos workshops.CIMAA forma jovens educadores
Na sessão de abertura da formação, o vice-presidente da CIMAA, Gonçalo Lagem, deu as boas-vindas aos jovens educadores e abordou a importância deste projecto internacional, por permitir que “possamos todos, e de um modo global, reflectir sobre estas questões que são transversais a todas as culturas e aumentar a consciencialização da nossa sociedade para desenvolver uma cultura mais inclusiva e não discriminatória”.
O responsável deixou ainda um desafio ao grupo de jovens educadores para que encare este projecto como uma missão. “Deixem a vossa marca na sociedade através do trabalho que vão poder desenvolver com este projecto para que juntos possamos construir uma cultura de confiança”, disse.