alimentos extremadura
Linhas de Elvas
Elióptica Fevereiro 2019
Talho Escarduça
Linhas Rádio 2019
Liberdade Branco
Linhas Rádio 2019
Liberdade Branco
Assine Já
Sanielvas 358x90 - Nov17

Évora

Escultor João Cutileiro recebe medalha de mérito e doa espólio e casa-atelier

O escultor João Cutileiro é hoje homenageado no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, recebendo a medalha de mérito cultural num dia em que é assinado o protocolo que formaliza a doação de parte do espólio e a casa-atelier ao Estado português.

19 Dezembro 2018

O escultor João Cutileiro é hoje homenageado no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, recebendo a medalha de mérito cultural num dia em que é assinado o protocolo que formaliza a doação de parte do espólio e a casa-atelier ao Estado português.

João Cutileiro manifestou, em 2014, interesse em doar ao Estado a sua casa e atelier, em Évora, bem como parte do seu trabalho e arquivo pessoal. O contrato de doação a favor do Estado, com usufruto vitalício a favor do escultor, é agora formalizado.

O plano de gestão prevê visitas públicas à casa/atelier, a realização de ateliers de escultura em pedra, residências artísticas, organização e produção de exposições, a constituição de reservas visitáveis de esculturas e a criação do Centro de Documentação João Cutileiro, aberto ao público.

O espólio doado inclui a casa/altelier de escultura, arquivo documental e colecções artísticas compostas por 750 obras de arte (126 fotografias e as restantes esculturas).

O alinhamento da homenagem ao escultor, de 81 anos, inicia-se com as boas-vindas pela directora regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, prevendo-se ainda as intervenções de Ângela Ferreira (secretária de Estado da Cultura), Ana Costa Freitas (reitora da Universidade de Évora), Carlos Pinto de Sá (presidente da Câmara Municipal de Évora) e Graça Fonseca (ministra da Cultura).

O escultor João Cutileiro nasceu a 26 de junho de 1937, em Lisboa. Vive e trabalha em Évora desde 1985. João Cutileiro é, indiscutivelmente, um dos mais singulares artistas portugueses do século XX. Excessivo, festivo, generoso, o seu trabalho marcou decisivamente a paisagem artística e cultural em Portugal a partir do final dos anos 1950 e início dos anos 1960.