euroace
Linhas de Elvas
Nutriprado
Elióptica Novembro
Loja da Paula
Liberdade Branco
Assine Já
Sanielvas 358x90 - Nov17
Liberdade Branco

20 anos de Intervenção Precoce em Elvas

Encontro decorre ao longo do dia no CNT

Alexandre Levezinho

21 Novembro 2018

O Centro de Negócios Transfronteiriço de Elvas (CNT) recebe esta quarta-feira, 21 de Novembro, o VIII Encontro de Intervenção Precoce do Distrito de Portalegre, com o tema ‘20 Anos a Brincar...Para Crescer’. Durante este dia o CNT é palco de apresentações relativas ao tema, ou seja na prestação de serviços terapêuticos, sociais e educativos em crianças que manifestem deficiências, necessidades educativas especiais e atraso no desenvolvimento.

Na sessão de abertura, a Dr. Cristina Miranda, Coordenadora da Subcomissão de Coordenação Regional do Alentejo, apontou que na altura em que foram lançados os decretos-lei para a implementação da Intervenção Precoce o Alentejo já apresentava uma boa funcionalidade destas práticas.

“A nossa rede começou no ano de 2000 e 2002, quando se fez o levantamento das necessidades, na sequência do despacho-lei que posteriormente teve sempre um grande envolvimento dos ministérios da Saúde, Educação e Solidariedade Social, com instituições e parceiros. Quando surge o decreto-lei 281 - que cria o Sistema Nacional de Intervenção Precoce em 2009 - o Alentejo já apresentava uma rede de serviços estruturada e com bastantes funcionalidade. No Alentejo começámos logo a fazer esse trabalho e fomos a única região do país que na altura do despacho já operávamos e implementámos a rede de serviço. O Alentejo foi pioneiro e fez um trabalho meritório”, assinalou Cristina Miranda.

A mesma refere que actualmente as maiores dificuldades são algumas “situações emergentes” e muito “complexas” e também a “falta de recursos” para apoiar certas situações. Cristina Miranda refere que no distrito o sistema funciona bem devido às parcerias com autarquias que disponibilizam recursos às equipas.

António Escarduça, Presidente da APPACDM (Associação de Pais e Amigos de Crianças Diminuídas Mentais ) de ELVAS, classificou como positiva a evolução da APPACDM nesta prática.

“Como em todas as situações, o início é sempre difícil. A APPACDM teve os seus problemas iniciais, foi evoluindo ao longo dos anos, daí que este encontro seja importante para a instituição e para Elvas. É o reconhecimento do nosso trabalho e oportunidade para trocar conhecimentos e partilhar experiências”, disse.

Cláudio Carapuça (na foto), Vice-Presidente da Câmara Municipal de Elvas, destacou a importância do papel da APPACDM neste tipo de intervenção, referindo que é uma instituição fundamental no desenvolvimento local e merece o reconhecimento do município.

“A Intervenção Precoce traz uma capacidade de antecipação dos problemas, daí o trabalho da APPACDM é fundamental para o desenvolvimento local. Esta instituição merece todo o reconhecimento por parte do município, está integrada na sociedade elvense e emprega uma centena de pessoas. É meritório pelo trabalho com os utentes e uma ancora para a economia local”, afirmou.

Vera Escouto esteve em representação de João Moura dos Reis (Pres. do Conselho de Administração da ULNSA). A Directora Clínica da ULSNA assumiu a prontidão ao sinalizar crianças com dificuldades para que as mesmas sejam independentes em idade adulta, e referiu a importância do trabalho dos três ministérios nesta temática.

“Só cada um fazendo o diagnóstico e as três vertentes falando de forma transversal se pode fazer um programa para que a criança possam crescer melhor. O Ministério da Saúde está aqui pela consulta médica que detecta o problema, do outro lado são os pais que, pelas dificuldades recorrem a agentes sociais e depois as escolas e cresces que também detectam as dificuldades nas crianças. Também é importante dizer que passámos a ser um hospital com equipas a ir a casa das pessoas. E com a família fazem o diagnóstico e conhecem-se as dificuldades. Assim podemos ver onde temos de melhorar e os componentes a investir. Terminamos a exclusão e começamos a inclusão”, atirou.

“Antigamente era um peso ter uma criança com problemas, hoje conseguimos resolver que na idade adulta sejam capazes de coexistir. A APPACDM foi o primeiro sítio onde os pais recorreram a ter os filhos numa instituição”, disse ao indicar que actualmente estas crianças atingem o nível de mestrado nas universidades, estão à frente de negócios e mesmo de passagens de modelos.