Linhas de Elvas
Elióptica Abril 2019
Talho Escarduça
Neurofit
Nutriprado
Liberdade Branco
Linhas Rádio 2019
Assine Já
Liberdade Branco

20 anos de Intervenção Precoce em Elvas

Encontro decorre ao longo do dia no CNT

Alexandre Levezinho

21 Novembro 2018

O Centro de Negócios Transfronteiriço de Elvas (CNT) recebe esta quarta-feira, 21 de Novembro, o VIII Encontro de Intervenção Precoce do Distrito de Portalegre, com o tema ‘20 Anos a Brincar...Para Crescer’. Durante este dia o CNT é palco de apresentações relativas ao tema, ou seja na prestação de serviços terapêuticos, sociais e educativos em crianças que manifestem deficiências, necessidades educativas especiais e atraso no desenvolvimento.

Na sessão de abertura, a Dr. Cristina Miranda, Coordenadora da Subcomissão de Coordenação Regional do Alentejo, apontou que na altura em que foram lançados os decretos-lei para a implementação da Intervenção Precoce o Alentejo já apresentava uma boa funcionalidade destas práticas.

“A nossa rede começou no ano de 2000 e 2002, quando se fez o levantamento das necessidades, na sequência do despacho-lei que posteriormente teve sempre um grande envolvimento dos ministérios da Saúde, Educação e Solidariedade Social, com instituições e parceiros. Quando surge o decreto-lei 281 - que cria o Sistema Nacional de Intervenção Precoce em 2009 - o Alentejo já apresentava uma rede de serviços estruturada e com bastantes funcionalidade. No Alentejo começámos logo a fazer esse trabalho e fomos a única região do país que na altura do despacho já operávamos e implementámos a rede de serviço. O Alentejo foi pioneiro e fez um trabalho meritório”, assinalou Cristina Miranda.

A mesma refere que actualmente as maiores dificuldades são algumas “situações emergentes” e muito “complexas” e também a “falta de recursos” para apoiar certas situações. Cristina Miranda refere que no distrito o sistema funciona bem devido às parcerias com autarquias que disponibilizam recursos às equipas.

António Escarduça, Presidente da APPACDM (Associação de Pais e Amigos de Crianças Diminuídas Mentais ) de ELVAS, classificou como positiva a evolução da APPACDM nesta prática.

“Como em todas as situações, o início é sempre difícil. A APPACDM teve os seus problemas iniciais, foi evoluindo ao longo dos anos, daí que este encontro seja importante para a instituição e para Elvas. É o reconhecimento do nosso trabalho e oportunidade para trocar conhecimentos e partilhar experiências”, disse.

Cláudio Carapuça (na foto), Vice-Presidente da Câmara Municipal de Elvas, destacou a importância do papel da APPACDM neste tipo de intervenção, referindo que é uma instituição fundamental no desenvolvimento local e merece o reconhecimento do município.

“A Intervenção Precoce traz uma capacidade de antecipação dos problemas, daí o trabalho da APPACDM é fundamental para o desenvolvimento local. Esta instituição merece todo o reconhecimento por parte do município, está integrada na sociedade elvense e emprega uma centena de pessoas. É meritório pelo trabalho com os utentes e uma ancora para a economia local”, afirmou.

Vera Escouto esteve em representação de João Moura dos Reis (Pres. do Conselho de Administração da ULNSA). A Directora Clínica da ULSNA assumiu a prontidão ao sinalizar crianças com dificuldades para que as mesmas sejam independentes em idade adulta, e referiu a importância do trabalho dos três ministérios nesta temática.

“Só cada um fazendo o diagnóstico e as três vertentes falando de forma transversal se pode fazer um programa para que a criança possam crescer melhor. O Ministério da Saúde está aqui pela consulta médica que detecta o problema, do outro lado são os pais que, pelas dificuldades recorrem a agentes sociais e depois as escolas e cresces que também detectam as dificuldades nas crianças. Também é importante dizer que passámos a ser um hospital com equipas a ir a casa das pessoas. E com a família fazem o diagnóstico e conhecem-se as dificuldades. Assim podemos ver onde temos de melhorar e os componentes a investir. Terminamos a exclusão e começamos a inclusão”, atirou.

“Antigamente era um peso ter uma criança com problemas, hoje conseguimos resolver que na idade adulta sejam capazes de coexistir. A APPACDM foi o primeiro sítio onde os pais recorreram a ter os filhos numa instituição”, disse ao indicar que actualmente estas crianças atingem o nível de mestrado nas universidades, estão à frente de negócios e mesmo de passagens de modelos.