Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
El Faro - Primavera 2020
Elióptica 2020 - 2
CCDRA 4º Trimestre 2019
Nutriprado
Jocriauto 012020
Nabeirauto Corsa
Sanielvas 358x90 - Nov17
Jocriauto 012020
Nabeirauto Corsa
Assine Já

PCP quer regionalização do país até 2021

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, voltou hoje a defender a regionalização do país até 2021.

16 Fevereiro 2020

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, voltou hoje a defender a regionalização do país até 2021, considerando que "esta é a hora de se concretizar este imperativo constitucional que se mantém adiado há mais de quatro décadas".
"É na próxima semana que a Assembleia da República vai apreciar a proposta do PCP de criação das regiões administrativas definindo método e calendário para que, de acordo com os termos constitucionais, seja possível a sua concretização até às eleições para as autarquias em 2021", afirmou Jerónimo de Sousa.
O líder comunista, que falava num comício no Teatro Bernardim Ribeiro, em Estremoz, no distrito de Évora, adiantou que a proposta do PCP apresenta dois mapas possíveis para a criação das Regiões, estando prevista "uma consulta às assembleias municipais, num processo que culminaria com um referendo em 2021, a tempo de se poderem fazer eleições simultaneamente para os órgãos municipais, de freguesia e regionais".
"Quando alguns tanto falam sobre o desenvolvimento regional, lastimam ciclicamente as assimetrias territoriais, ou invocam os problemas da interioridade como o têm feito PS, PSD e CDS, aqui está uma oportunidade para estes e outros juntarem as palavras aos actos e acompanharem a proposta do PCP", acrescentou.
O PCP agendou para quarta-feira um projecto de resolução, na Assembleia da República, para a definição de um calendário para a regionalização até às autárquicas de 2021.
Sobre a despenalização da eutanásia, o secretário-geral do PCP referiu que, actualmente, "a polarização da vida política nacional em torno da provocação da morte antecipada, vulgo eutanásia, é movida por objectivos muito para lá do que o tema suscita".
"O PCP não foge a este debate. Mas não contribuirá para que durante dias ou talvez meses se procure a este propósito iludir os problemas que o país, os trabalhadores e o povo enfrentam", salientou.
Quanto a este tema, o PCP reafirma que "não há razões para alterar" a posição assumida pelo partido em 2018.
"Respeitando os que em matéria tão complexa e sensível têm posicionamento distinto, para o PCP o que se impõe não é legalizar a provocação da morte antecipada com todas as consequências sociais que uma sociedade capitalista se encarregará de potenciar, mas sim de incumbir o Estado de assegurara todos os meios e condições para assegurar uma vida vivida com dignidade mesmo que na presença de doença", argumentou.
Parte do discurso do líder comunista centrou-se no Orçamento do Estado para 2020 e apesar das críticas ao documento, considerando que se trata de "um Orçamento amarrado às imposições e às regras de submissão da União Europeia e aos interesses do grande capital", lembrou as propostas do PCP para a "consagração de medidas de sentido positivo para dar solução aos problemas de fundo do país".
Jerónimo de Sousa referiu que o PCP se absteve na votação final global da proposta do Orçamento do Estado para 2020, considerando que a posição que o partido assumiu "dá expressão a um posicionamento político que se distancia deste Orçamento e das opções do Governo nele reflectidas".

TCA // MSF
Lusa