alimentos de extremadura
Linhas de Elvas
A Loja da Paula - 25 Anos
CCDRA
Elióptica Boas Festas
Nutriprado
Liberdade Branco
Assine Já
Liberdade Branco
Sanielvas 358x90 - Nov17

Professores

Tecnologia e burocracia atrasam aumentos a professores

Questões técnicas e burocráticas ameaçam adiar meses a revisão dos ordenados

13 Fevereiro 2018

Desde o início do ano, devido ao descongelamento das carreiras, muitos professores reuniram as condições para mudar de escalão e começar a beneficiar do respectivo aumento salarial. Mas as questões técnicas e burocráticas associadas ao processo ameaçam adiar a revisão dos ordenados até Março ou Abril.

As escolas têm vindo a fazer um recenseamento das carreiras de todos os docentes ao seu serviço como forma de aferir a progressão de muitos deles, mas a tarefa não tem sido fácil e os adiamentos são sucessivos.

Trata-se de reposicionar os professores que, pelo tempo ter voltado a contar, garantiram o direito à progressão, numa factura estimada pelo Ministério das Finanças a rondar os 90 milhões de euros.

O reposicionamento salarial será feito em parcelas de 25% a cada semestre, o que significa que só ao fim de dois anos os docentes terão o aumento correspondente ao novo escalão. Para já, dependendo do escalão, o ganho mensal será de 20 a 50 euros.

Em causa não estão ainda os aumentos decorrentes da contagem do tempo de serviço congelado ao longo dos últimos anos, assunto ainda em negociações que representará, segundo a Fenprof, 600 milhões de euros quando todo o processo estiver finalizado, o que deverá levar vários anos.

fonte:DN