Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
El Faro - Campanha de Verão
Camelo Maio 2020
Elióptica 2020 - Proteja os olhos
Bricoelvas
Elióptica 2020 - Loja Online
Jocriauto 012020
Nabeirauto - Crossland X
Sanielvas 358x90 - Nov17
Jocriauto 012020
Nabeirauto - Crossland X

Uso do telemóvel durante a condução na mira da GNR

A Guarda Nacional Republicana (GNR), entre os dias 11 e 17 de Fevereiro, intensifica a fiscalização do uso do telemóvel durante a condução, com o objectivo de prevenir a sinistralidade rodoviária e aumentar o sentimento de segurança dos utentes da via.

10 Fevereiro 2020

A Guarda Nacional Republicana (GNR), entre os dias 11 e 17 de Fevereiro, intensifica a fiscalização do uso do telemóvel durante a condução, com o objectivo de prevenir a sinistralidade rodoviária e aumentar o sentimento de segurança dos utentes da via.
A condução distraída é um factor de risco que tem sido objecto de uma atenção crescente nas políticas de segurança rodoviária, de tal modo que a Comissão Europeia, no Plano de Acção para esta década (2020-2030), destacou a condução distraída como um dos principais comportamentos de risco para a segurança rodoviária, sendo que no ano de 2019 foram autuados 22 mil condutores por fazerem uso indevido do telemóvel durante a condução.
As acções de fiscalização serão direcionadas para as vias onde o índice de sinistralidade é mais elevado, estando empenhados militares dos comandos territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito.
Esta operação decorre paralelamente com a campanha da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária “A conduzir, não uses o telemóvel”, integrada no Plano Nacional de Fiscalização, que tem como objectivo alertar os condutores para o risco de utilizarem o telemóvel enquanto circulam, nomeadamente a distracção que o seu manuseamento provoca.
A GNR relembra o impacto negativo do manuseamento do telemóvel durante a condução, nomeadamente: aumento do tempo de reacção; má avaliação das velocidades; não manutenção das distâncias de segurança; mau posicionamento do veículo na via; dificuldade na interpretação da sinalização, podendo até ser ignorada; e desrespeito das regras de cedência de passagem, designadamente em relação aos peões.