Linhas de Elvas
Nutriprado
Elióptica 2020 - 2
El Faro - Rebajas 2020
Nabeirauto Crossland
Jocriauto 012020
Jocriauto 012020
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeirauto Crossland
Assine Já

Continente sob aviso amarelo devido ao mau tempo

Portugal continental está hoje sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima, chuva forte, vento ou queda de neve, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

16 Dezembro 2019

Portugal continental está hoje sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima, chuva forte, vento ou queda de neve, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).
Os 18 distritos do continente estão sob aviso amarelo (até às 21:00 de hoje) devido à previsão de períodos de chuva por vezes forte e persistente, tendo o IPMA emitido também o mesmo aviso para toda a costa portuguesa, mas por causa da agitação marítima (até às 12:00 de terça-feira).
O IPMA colocou também em aviso amarelo os distritos de Bragança, Viseu, Guarda, Vila Real, Viana do Castelo, Braga e Castelo Branco devido à previsão de queda de neve acima de 1400/1600 metros, descendo gradualmente a cota para 800/1000 metros, entre as 15:00 de hoje e as 03:00 de terça-feira.
Sob aviso amarelo estão ainda os distritos de Viseu, Évora, Guarda, Faro, Beja, Castelo Branco, Coimbra e Portalegre por causa do vento forte com rajadas até aos 80 quilómetros por hora, entre as 09:00 e as 18:00 de hoje.
O aviso amarelo é o segundo menos grave de uma escala de quatro e é emitido quando as condições meteorológicas representam um “risco para determinadas actividades”.
O mau tempo que se está a fazer sentir em Portugal continente surge na sequência da passagem da depressão “Daniel” que está associada a uma ondulação da superfície frontal fria que atravessa o território do continente.
No domingo, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) alertou para um agravamento do estado do tempo.
Face ao cenário de precipitação forte e persistente, a Protecção Civil alerta que deve ser "dada uma especial atenção às zonas historicamente identificadas como vulneráveis a inundações e em particular em bacias hidrográficas não regularizadas e de escoamento rápido".
A Protecção Civil chama a atenção para os efeitos desta situação, com piso escorregadio e a eventual formação de lençóis de água e gelo e possibilidade de cheias rápidas em meio urbano.
As autoridades alertam ainda para a possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte e possíveis acidentes na orla costeira, sendo de evitar o estacionamento de veículos nestas zonas.
Segundo a ANEPC, "o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adopção de comportamentos adequados".
Aos condutores, é recomendada uma condução defensiva, com redução da velocidade e colocação das correntes de neve nas viaturas, sempre que se circular nas áreas atingidas pela queda de neve.
As autoridades pedem também para não se atravessar zonas inundadas, "de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas".
Deve-se "garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas", diz o comunicado, acrescentando ainda que não devem ser praticadas "actividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar".

DD (EO) // SB
Lusa