Linhas de Elvas
Elióptica Fevereiro 2019
Talho Escarduça
Nutriprado
Neurofit
Liberdade Branco
Linhas Rádio 2019
Liberdade Branco

Portuguesas são cada vez mães mais tarde

País apresenta uma taxa de quase 30% do total de progenitoras com idades acima dos 35 anos

26 Novembro 2018 | Fonte: Público

As mulheres portuguesas estão a tornar-se mães cada vez mais tarde. De acordo com o Euro-Peristant - Relatório Europeu de Saúde Perinatal, Portugal surge, em 2015, na quinta posição da União Europeia com uma taxa de maternidade, de mães com idades acima dos 35 anos.

Segundo o relatório, divulgado esta segunda-feira, 26 de Novembro e noticiado pela Público, neste ano as mães com mais de 35 anos representavam 29,4% do total. Ao analisar com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) o diário nacional aponta que em 2016 a tendência agravou, com uma registo de 31%. Uma evolução que regista uma crescimento já que em 2010 a população de mães tardias não chegava aos 22%.

A liderar a tabela está a Espanha (37,3%) seguido de Itália (36,6%), Irlanda (34,3%) e Grécia (29,8%).

No fim da lista lêem-se países como Eslováquia (16,9%), Lituânia (15,7%), Polónia (14,8%) e Roménia (14,4%).

Henrique Barros, presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, instituição parceira do Euro-Peristat, salientou ao Público a mesma relação de países com maior taxa de maternidade tardia e países mais afectados pela crise económica financeira. Referido que ter filhos tarde é uma tendência geral da Europa onde apenas na Alemanha, Estónia, Holanda e Suécia há um inverso.

Henrique Barros indica que para se “encorajar a maternidade em idades mais jovens implica políticas de suporte a mães e pais trabalhadores”.