fitur2018
Linhas de Elvas
Nutriprado
Elióptica - A sua visão merece o melhor
Linhas Rádio
Sanielvas 358x90 - Nov17
Linhas PDF
Sanielvas 358x90 - Nov17
Linhas Rádio

Zoos e Circos / Sim ou Não?

A razão para serem tão controversos é devido ao facto de serem um ponto em comum entre os interesses da Biologia e os interesses da sociedade

02 Janeiro 2018

Trago hoje ao leitor um dos temas mais polémicos em Biologia. A existência de zoos e circos. A razão para serem tão controversos é devido ao facto de serem um ponto em comum entre os interesses da Biologia, em especial da Biologia da Conservação, e os interesses da sociedade, que como é sabido nem sempre são complementares e muitas vezes contraditórios.

A diferença entre um parque zoológico e um circo é que um zoológico participa na conservação da biodiversidade enquanto um circo não.

No presente século tem crescido uma forte corrente ideológica que olha para os zoológicos como prisões de animais e que se interroga se o dinheiro que ali se “gasta” não seria melhor aplicado na conservação das espécies em ambiente natural. Apesar de tudo é uma pergunta legítima, qualquer zoológico sabe que nunca irá conseguir recriar todos os aspetos da vida de um animal, e que de nada vale manter uma espécie viva se ela só existir em cativeiro! O problema é que algumas espécies já não existiriam sem ser em cativeiro. Os zoológicos têm tido um papel fundamental na conservação de espécies que já não conseguem viver em liberdade (porque o habitat foi destruído ou porque a caça ilegal é ainda incontrolável).

Contudo nem todos os parques zoológicos executam esta tarefa. Alguns são efetivamente prisões de animais em que o único objetivo da existência do parque é o dinheiro mesmo que os seus inquilinos estejam acomodados em instalações pequenas e sem condições. As pessoas vão lá, vêm os animais e não aprendem nada!

Os circos têm como objetivo principal entreter o público usando animais exóticos e perigosos, que são mantidos em condições impróprias e muitas vezes com uma alimentação inadequada.

Uma das justificações usadas na defesa de circos é a de que estes proporcionam às populações do interior a oportunidade de verem animais exóticos, uma vez que estas populações não têm a oportunidade de se deslocarem a um zoológico.

A minha resposta a este argumento é: em primeiro lugar o interior já não é assim tão isolado como há 40 anos atrás, hoje em dia quase toda a gente tem um carro próprio, as vias de comunicação rodoviária são bastantes e de qualidade. Um segundo ponto, que é importante lembrar, é que em Portugal não existe apenas um zoológico. Apesar de ser a referência nacional o Jardim Zoológico de Lisboa tem a companhia do Zoo de Lagos, no Algarve, da Maia e de Santo Inácio no norte do país. Por isso ir ao zoo não implica ir a Lisboa.

E em terceiro lugar, é certo que as pessoas poderiam ir ao circo para verem um leão, mas a minha questão é: quantas delas aprendem no circo que os leões são o único felino que vive em grupos. E que os tigres são uma das espécies de mamíferos em maior risco de extinção.circo px here

Na minha opinião ver os animais é apenas parte da experiência, a outra parte é aprender um bocadinho mais sobre aqueles animais. Perceber que aquele animal não está ali para ser visto ou para nos divertir, está ali para que possamos aprender mais sobre ele, sobre o sítio onde ele vive e sobre os seus hábitos. O porquê de se encontrar em vias de extinção e em ultima análise o que podemos nós fazer para evitar que isso aconteça.

E isto, caro leitor, é o mais importante da conservação e é exatamente o que um circo não faz.

.

Biólogo e mestrando em biologia evolutiva e do desenvolvimento na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa