Linhas de Elvas
Nutriprado
Elióptica - Cuidamos da sua visão
Sanielvas 358x90
Sanielvas 358x90

Opinião

Um dia depois do São Mateus

José António Contradanças

11 Outubro 2017

Num dia depois do São Mateus nada melhor que, contrariar a velha máxima popular que revela algum cansaço e desânimo no fim das festas em contraponto com o entusiasmo vivido pela novidade e curiosidade própria do período antes das mesmas.

Digo nada melhor, porque este São Mateus, tendo muito da habitual festa profano-religiosa em que se mistura a devoção, o encontro de conhecidos e amigos e o divertimento, teve uma tonalidade diferente, bem pintado pela crispação e empolgamento duma campanha eleitoral diferente e muito original. E por isso mesmo merece lugar e justifica uma reflexão.

Como disse, se em tudo o que a tradição manda nada se nos afigura referir, afirmando-se cada vez mais como momento particular a procissão dos pendões, este ano a festa viu-se acrescentada pelo período vivido de campanha eleitoral, que colocou em confronto as diferentes forças partidárias concorrentes à governação das freguesias e do município elvense. E se isso não bastasse, a novidade dum dito movimento cívico se apresentar, não pelo pensamento e pela ação dum grupo de cidadãos que trouxesse algo de novo, mas sustentado pela dinâmica individualista e egoísta duma pessoa despeitada que convive mal com a perda de poder.

Vivi intensamente este período por ter decidido regressar ao trabalho autárquico do meu e nosso concelho, empenhando-me por travar um real perigo que poderia advir duma possível vitória desse tal movimento, que decerto isolaria o concelho de Elvas e lhe cerceava um caminho de futuro.

Que tipo de convivência se esperaria, do dito grupo, com o governo e com as outras forças e órgãos da região?

Que ação esperar de quem anunciava o regresso ao “reino do betão” quando se precisa dinamizar a economia local e aproveitar os bons equipamentos e infraestruturas existentes, atraindo investimento empresarial com a consequente criação de emprego que permita a fixação de população jovem?

Em boa hora o Partido Socialista ganhou, em toda a linha, as eleições autárquicas no concelho de Elvas e o Dr. Nuno Mocinha foi a escolha certa para dirigir o executivo municipal elvense. Ganhou-as duma forma clara e convincente, porque a população do concelho rejeitou o regresso ao passado, não entendendo nem dando o aval a quem devia tornar-se merecedor da gratidão que lhe é devida pelo trabalho de 20 anos e pelo patamar a que se guindou o concelho de Elvas.

Na verdade, vivemos um momento ímpar num tempo particular de festas do São Mateus. A meu ver não devemos mostrar cansaço pelas festas passadas mas dar lugar à reflexão sobre o que se passou e buscarmos alegria e ânimo para os tempos que se seguem.

É necessário que tome lugar a humildade na aceitação dos resultados e nos mobilizemos coletivamente e de forma empenhada, tendo em vista a conquista de patamares de excelência e de afirmação do que temos de bom e podemos oferecer a quem nos procura.

Elvas e os elvenses merecem esse esforço.

Que a bênção do Senhor Jesus da Piedade, tantas vezes pedida, ilumine as mentes de quem tem maiores responsabilidades para que assim seja.