Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
Elióptica 2020 - Loja Online
Elióptica 2020 - Proteja os olhos
Bricoelvas
CME Vote Roncas de Elvas
Camelo Maio 2020
El Faro - Campanha de Verão
Nabeirauto - 2020
Nabeirauto - 2020
Sanielvas 358x90 - Nov17

Associação de Futebol de Portalegre discorda de plano de reestruturação de futsal por "penalizar o Interior"

"Este Plano de Reestruturação do Futsal é penalizador para os clubes que já sentem diariamente com os constrangimentos da interioridade e que sofrem assim mais um golpe nas suas aspirações", refere a AFP.

30 Maio 2020

A direcção da Associação de Futebol de Portalegre (AFP) discorda "profundamente" do Plano de Reestruturação do Futsal aprovado, na quinta-feira, na reunião de Direcção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Em comunicado, a AFP sublinha "deste logo, porque as Associações de Futebol Distritais e Regionais (ADR’s) não tiveram a possibilidade para contribuir na elaboração de uma importante alteração dos quadros competitivos do futsal e, principalmente, porque a Direcção da AF Portalegre acredita que estes não são os modelos que melhor defendem os interesses da grande maioria dos clubes a nível nacional.

A associação do distrito de Portalegre recorda que desde a época 2004/05, ou seja, nas últimas 16 épocas desportivas, o escalão principal do Futsal Português conta com a participação de 14 equipas, o que, de per si, "demonstra que este é o modelo mais adequado à competição, caso contrário não se tinha verificado uma longevidade quase inigualável na história das competições federativas".

Por outro lado, pode ler-se no documento, "é um contrassenso que, em 2020/21, a Liga Placard sofra um alargamento para 16 clubes para depois ver este número reduzido até 12 nas épocas seguintes. Consideramos que este modelo prejudica claramente os clubes de menor dimensão, que representam o Interior do País e que, a curto prazo, enfrentarão ainda mais dificuldades para assegurar um lugar no escalão principal do futsal nacional.

Com a entrada dos 20 representantes distritais e regionais, a 2ª Divisão Nacional passará dos actuais 60 clubes para 80, aos quais se juntam oito da Série dos Açores. Será uma época de transição, que implicará a criação da 3ª Divisão na época desportiva seguinte.

"É uma decisão que saudamos, pois permite equilíbrio e competitividade nas provas nacionais de futsal. O que não podemos concordar de forma nenhuma é que, com a criação de uma 3ª Divisão, haja despromoções directas da 2ª Divisão para os Campeonatos Distritais, até porque se trata de uma fórmula completamente diferente daquela que acontece, por exemplo, com a criação da 2ª Divisão Nacional nos escalões de iniciados e juvenis de futebol. É ainda mais inaceitável que os campeões distritais e regionais deixem de ter acesso directo à Prova Nacional (3ª Divisão de Seniores Masculinos e 2ª Divisão de Seniores Femininos), tendo de disputar um Play-off. Esta decisão coloca em causa princípios fundamentais como a Igualdade, Equidade e Representatividade. O Futsal não pode ter um tratamento diferente do Futebol", menciona a AFP.

A direcção da Associação de Futebol de Portalegre argumenta ainda que "defenderá sempre os interesses dos seus clubes filiados perante a FPF, propondo sempre melhorias nas mais diversas modalidades, e considera que este Plano de Reestruturação do Futsal é penalizador para os clubes que já sentem diariamente com os constrangimentos da interioridade e que sofrem assim mais um golpe nas suas aspirações".