Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
Elióptica 2020 - Loja Online
Camelo Maio 2020
Elióptica 2020 - Proteja os olhos
Bricoelvas
El Faro - Campanha de Verão
Nabeirauto - Crossland X
Jocriauto 012020
Nabeirauto - Crossland X
Sanielvas 358x90 - Nov17
Jocriauto 012020

Sindicato dos médicos acusa ARS de "ilegalidade" em Reguengos de Monsaraz

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusou hoje a ARS/Alentejo de "prepotência e ilegalidade" por querer alocar médicos e enfermeiros do distrito de Évora ao lar de Reguengos de Monsaraz onde surgiu um foco de covid-19.

02 Julho 2020

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusou hoje a ARS/Alentejo de "prepotência e ilegalidade" por querer alocar médicos e enfermeiros do distrito de Évora ao lar de Reguengos de Monsaraz onde surgiu um foco de covid-19.
Segundo o SIM, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo determinou "alocar em permanência equipas de médicos e enfermeiros" ao lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVSP), onde foi detetado, no dia 18 de junho, um foco de SARS-CoV-2 que provoca a doença da covid-19.
A determinação de alocar profissionais do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Alentejo Central, onde se inclui o concelho de Reguengos de Monsaraz, e do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) "está ferida de ilegalidade, face às convenções coletivas de trabalho e à lei geral", advertiu.
"Os médicos sindicalizados poderão mostrar-se indisponíveis para a prestação de todo e qualquer tipo de trabalho que não ocorra nas instalações estabelecimento contratualmente identificado onde se encontrem colocados ou em estabelecimento da mesma entidade empregadora pública situado no mesmo concelho", sublinhou.
O SIM lembrou que no concelho de Reguengos de Monsaraz e no distrito de Évora "não vigora nem um estado de emergência, nem uma situação de calamidade, nem qualquer contingência que remotamente possa sobrepor-se à lei".
Para o sindicato, a situação no lar da FMIVSP deve-se "quer à incompetência dos responsáveis, quer da ARS do Alentejo", uma vez que "em devido tempo não tomaram as medidas preventivas e de despistagem da infeção entre utentes e funcionários".
A fundação "pode e deve ter um quadro próprio de profissionais de saúde, quer através da formulação de contratos, quer pelo recurso a prestadores de serviços, como, aliás, o fez em circunstâncias passadas e inclusive com publicitação nas redes sociais, havendo até razão acrescida para que o faça nas circunstâncias presentes", acrescentou.
O concelho de Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, regista o maior surto de covid-19 do Alentejo, contabilizando seis mortes e 140 casos ativos, segundo a atualização hoje divulgada pelas autoridades locais.
Portugal contabiliza pelo menos 1.579 mortos associados à covid-19 em 42.454 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).