Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
Linhas em sua casa
Camelo Maio 2020
El Faro - Abril 2020
Nabeiroauto - Maio 2020
Jocriauto 012020
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeiroauto - Maio 2020
Jocriauto 012020

Covid-19: Associação exige “apoio imediato” para evitar falências na agricultura

A ACOS - Associação de Agricultores do Sul exigiu hoje "medidas de apoio imediato" para evitar a falência de empresas e o aumento do desemprego no sector agrícola, na sequência da pandemia de covid-19.

04 Maio 2020

A ACOS - Associação de Agricultores do Sul exigiu hoje "medidas de apoio imediato" para evitar a falência de empresas e o aumento do desemprego no sector agrícola, na sequência da pandemia de covid-19.
"Os agricultores estão a trabalhar, mas há produtos que não estão a ser escoados, os preços ao produtor estão a baixar, a economia das explorações está a ser afectada", e, por isso, são "necessárias medidas de apoio imediato para evitar a falência das empresas e o aumento do desemprego", defende a ACOS.
Em comunicado enviado à agência Lusa, a associação frisa que, "apesar de dificuldades impostas pelos efeitos da covid-19, a agricultura não pode parar e a procura de soluções para a nova realidade também não" e os "efeitos globais" provocados pela pandemia "impõem novas abordagens".
"Apesar de a agricultura não parar, em consequência da actual pandemia que está a afectar a saúde humana e a economia do país em geral e a da agricultura em particular, estão a sentir-se algumas ondas de choque com reflexos negativos no sector" agrícola, alerta a ACOS, a organizadora da feira agropecuária Ovibeja.
A associação refere estar "consciente" de que "impõe-se agora mais do que nunca" e "é a resposta em tempos de crise" o "mote" "Agricultura Con(s)ciência" que tinha sido escolhido para "reflexão e partilha de saber" na edição deste ano da Ovibeja, que devia ter decorrido entre os dias 29 de Abril e 3 de Maio, mas foi cancelada devido à pandemia.
"De 'mãos dadas com a ciência' importa salvaguardar a produção de qualidade e estimular a saúde e a vitalidade das empresas do sector primário nas zonas de interior, como é o caso do Alentejo", defende a ACOS, frisando que "a partilha de informação, de experiências e de conhecimento é agora mais importante do que nunca".
Segundo a associação, "a ciência impõe-se como resposta objectiva e de salvaguarda da qualidade" e o "reforço do trabalho conjunto", incluindo a articulação entre a produção e o escoamento de produtos, "é outro dos indicadores que importa trabalhar".
Por outro lado, "com perturbações a curto ou médio prazo nos canais de comercialização, ganham maior expressão os circuitos de proximidade", sublinha, referindo que "o factor confiança aliado à qualidade, a preservação do ambiente, o desenvolvimento dos territórios rurais, a garantia da produção mínima que salvaguarde a soberania alimentar e a coesão territorial são alguns dos tópicos da nova realidade, que importa debater com seriedade".
A ACOS afirma que "quer fazer parte da solução na defesa dos interesses dos seus associados distribuídos por todo o sul do Tejo" e frisa que "a voz de quem está no terreno é fundamental para o traçado de novas políticas que se impõem, tanto nacionais, como na nova PAC" (Politica Agrícola Comum).

LL // MLM
Lusa