Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
CCDRA 4º Trimestre 2019
El Faro - Abril 2020
Elióptica 2020 - Páscoa
Linhas em sua casa
Linhas de Elvas
Nabeiroauto - Abril 2020
Jocriauto 012020
Assine Já
Linhas de Elvas
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeiroauto - Abril 2020
Jocriauto 012020

Fábrica de Vendas Novas costura 4.000 máscaras para hospital de Évora

Cerca de 4.000 máscaras de protecção para entregar ao hospital de Évora estão a ser produzidas numa empresa de Vendas Novas.

26 Março 2020

Cerca de 4.000 máscaras de protecção para entregar ao hospital de Évora estão a ser produzidas, devido à pandemia de covid-19, numa empresa de Vendas Novas, fabricante de capas para estofos de automóveis e aviões.
“O primeiro dia de produção foi na quarta-feira e tivemos de afinar o processo e as máquinas porque produzimos capas para estofos de automóveis e aviões, é algo completamente diferente”, disse hoje à agência Lusa Ana Paula Rufas, responsável dos Recursos Humanos da AUNDE Portugal – Indústria de Confecção de Capas.
Mesmo assim, já com o processo de costura definido, na primeira jornada, “conseguimos produzir 500 máscaras”, mas “hoje já vamos produzir muitas mais”, afiançou, exemplificando: “Até às 10:00 de hoje, já tínhamos costurado quase a mesma quantidade” da véspera.
Ana Paula Rufas, que, em conjunto com outras três pessoas, assegura o comité de gestão da AUNDE Portugal, vincou que o objectivo é fabricar “cerca de 4.000 máscaras de protecção para os profissionais do hospital de Évora”, que cedeu o material.
“Não temos matéria-prima adequada para este tipo de produtos. O hospital é que nos forneceu o material e as máscaras têm um tecido externo e um interno e levam um elástico, mas, como já acabámos a reserva que tínhamos, agora estamos a usar uma fita, que as prende atrás das orelhas”, explicou.
O presidente da Câmara de Vendas Novas, Luís Dias, disse à Lusa ter tido conhecimento, através da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC), “da necessidade de produzir algumas máscaras” para o Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE).
A unidade hospitalar “tinha em ‘stock’ material, mas estava com dificuldade em encontrar quem costurasse o produto final, necessário para os profissionais de saúde utilizarem e para terem uma reserva estratégica”, afirmou.
“No caso de Vendas Novas, temos uma fábrica no nosso parque industrial, cuja profissão é mesmo costurar e, nesse sentido, foram mobilizados estes recursos para a confecção destas máscaras que vão munir o HESE de uma resposta que, de outra forma, não teria em tempo útil”, destacou o autarca.
Segundo Luís Dias, a unidade fabril vai produzir as 4.000 máscaras “nos próximos dois dias” para que “todos os profissionais de saúde do HESE tenham o equipamento necessário” e aquele “que mais falta faz neste momento nos hospitais, que são as máscaras”.
“Nesta fase somos todos mobilizados a ajudar e esta empresa, a AUNDE, foi excepcional com a oferta deste trabalho”, elogiou o autarca.
A empresa, de administração turca e parte do grupo multinacional alemão AUNDE, conta na unidade portuguesa com 400 funcionários, dos quais 180 são operadores de costura.
Esta semana não estava a operar, mas acedeu “de imediato” a colaborar no fabrico das máscaras, ao ser contactada pelo presidente da câmara e após reuniões com o HESE, e tem a laborar 26 operadores de costura, disse Ana Paula Rufas.
“Não estamos a cobrar nada. Recebemos o material do hospital e doamos as máscaras. A nossa mão-de-obra é toda por conta da empresa”, frisou.
A pandemia de covid-19 “está a afectar o mundo, Portugal e o Alentejo”, lembrou, vincando: “Nós ficamos muito contentes de dar o nosso contributo para ajudarmos a travar esta pandemia e a suprir necessidades do hospital”.
A pedido do HESE, a AUNDE desenvolveu ainda protótipos de outros equipamentos – cobre-botas e Cogulas (gorros protectores da cabeça e do pescoço) -, que vai agora submeter a análise do hospital, para ver se cumprem os requisitos técnicos.
“Se o hospital aprovar e como nos mandaram, além de material já cortado para máscaras, também material não cortado, ficamos à espera que nos informem das suas necessidades, para ver se produzimos também estes equipamentos”, disse a responsável.

RRL // MLM
Lusa