Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
Elióptica 2020 - 2
CCDRA 4º Trimestre 2019
El Faro - Primavera 2020
Nutriprado
Nabeirauto Corsa
Jocriauto 012020
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeirauto Corsa
Assine Já
Jocriauto 012020

Covid-19: Directores de escolas alertam que há alunos carenciados que não vão buscar almoços

Directores de escolas alertaram que há alunos de famílias carenciadas que não estão a ir buscar as refeições nem a ir almoçar às escolas, que estão abertas para garantir esse serviço.

25 Março 2020

Directores de escolas alertaram que há alunos de famílias carenciadas que não estão a ir buscar as refeições nem a ir almoçar às escolas, que estão abertas para garantir esse serviço.
Os números são residuais e as escolas estão a fazer um levantamento para perceber o que se passa em cada uma das situações e garantir que ninguém é prejudicado, disseram à Lusa os presidentes das duas associações de directores escolares.
Numa tentativa de tentar conter a disseminação do novo coronavírus, o Governo mandou encerrar todas as escolas, desde creches a estabelecimentos do ensino superior.
Das mais de três mil escolas básicas e secundárias, mantêm-se abertas cerca de 700 que serviram uma média de 5.500 refeições diárias, segundo dados do Ministério da Educação (ME) relativos à semana passada.
O Ministério da Educação pretende garantir que os alunos mais carenciados não fiquem sem as refeições diárias, mantendo para isso algumas escolas a funcionar, à semelhança do que já acontece nas férias escolares.
O presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), Manuel Pereira, disse à Lusa que há, no entanto, alunos que estão referenciados mas não estão a usufruir das refeições.
Em muitos casos, Manuel Pereira acredita que se trate do facto de os alunos viverem muito longe das escolas - “alguns a 20 ou 30 quilómetros” – e por isso “é mais fácil para as famílias fazer almoço para mais um do que estar a fazer a viagem até à escola”.
“As escolas estão a fazer um levantamento para confirmar se há alunos que tenham escapado”, ou seja, sem “acesso às duas refeições diárias apesar de precisarem mesmo delas”, concluiu o presidente da ANDE.
Também Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Directores e Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), confirma a situação, mas sublinha que se trata de “casos residuais”.
A distribuição das refeições escolares está a ser feita de formas muito variadas: há alunos a usar os refeitórios escolares mas também há quem opte por ir buscar as refeições embaladas e levá-las para casa.
Também há autarquias a entregar as refeições em casa dos estudantes: alguns almoços são feitos nas cantinas escolares; outros são cozinhados pelos serviços municipais.
Outros municípios optaram por entregar um cabaz semanal às famílias para que possam fazer em casa as refeições.
De acordo com o ME, na semana passada, as cerca de 700 escolas de referência abertas serviram uma média de 5.500 refeições diárias aos alunos mais carenciados: a região de Lisboa e Vale do Tejo garantiu cerca de 3.500 almoços diários, seguindo-se a região Centro (cerca de 800), o Norte (cerca de 650), o Alentejo (cerca de 350) e, por fim, o Algarve (cerca de 250).

SIM // JMR
Lusa