Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
El Faro - Campanha de Verão
Bricoelvas
Elióptica 2020 - Loja Online
Camelo Maio 2020
Elióptica 2020 - Proteja os olhos
Nabeirauto - Crossland X
Jocriauto 012020
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeirauto - Crossland X
Jocriauto 012020

Badajoz e Elvas saíram timidamente à rua nas cerimónias de abertura das fronteiras

As populações vizinhas de Badajoz e Elvas compareceram hoje timidamente às cerimónias de reabertura das fronteiras, que juntaram os chefes de Estado e de Governo de Portugal e Espanha, mas não faltaram iniciativas de protesto.

01 Julho 2020

As populações vizinhas de Badajoz e Elvas compareceram hoje timidamente às cerimónias de reabertura das fronteiras, que juntaram os chefes de Estado e de Governo de Portugal e Espanha, mas não faltaram iniciativas de protesto.
As cerimónias começaram no Museu Arqueológico de Badajoz, longe dos olhares dos populares. Na rua, algumas pessoas festejaram a presença do rei com bandeiras de Espanha, enquantoa alguns metros de distancia, cerca de uma dezena de populares gritou pelo fim do regime monárquico.
Já no Castelo de Elvas, o Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, o rei de Espanha, Felipe VI, e os chefes de Governo português, António Costa, e espanhol, Pedro Sánchez, foram “recebidos” por um protesto do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), pro-toiro e verdesreivindicando o encerramento da central nuclear de Almaraz e da ProToiro-Federação Portuguesa de Tauromaquia contra as políticas do Governo para o setor.
A dirigente de “Os Verdes" Manuela Cunha disse à agência Lusa que o protesto pretendeu exigir o encerramento da central de Almaraz, que fica a 110 quilómetros em linha reta da fronteira portuguesa e que registou, recentemente, dois incidentes.
“Almaraz já devia ter encerrado em 2010, estamos a prolongar o seu prazo de vida e, como qualquer pessoa sabe, como nos seres humanos, como em qualquer máquina, quanto mais velhos mais hipóteses de acidente temos, as centrais é igual. Encerrar Almaraz, que se serve das águas do rio Tejo, que está à beira da zona raiana, é fundamental”, disse.
Já do lado da ProTóiro, o presidente da Associação Nacional de Toureiros, Nuno Pardal, explicou à Lusa que “é importante” estar junto do poder político porque o setor está “parado” e exige “igualdade” para que possam desenvolver a sua atividade.pro-toiro e verdes
“Continuamos com esperança de conseguir os 50% de lotação nas praças, neste momento estamos só a 25%. É importante estar aqui para mostrar que estamos aqui”, disse.
Ambas as manifestações reuniram cerca de 50 pessoas que empunhavam cartazes e gritavam palavras de ordem.
O “aparato” das cerimónias, sem discursos oficiais, marcadas apenas nos dois países com os hinos nacionais e fotografias de família, atraíram poucos populares em Badajoz e Elvas, mas mesmo assim Maria do Carmo, residente na cidade portuguesa, disse à Lusa que a “curiosidade falou mais alto” e decidiu deslocar-se ao local para assistir aos festejos.
Já Mário Dias disse à Lusa que foi assistir às cerimónias porque “é um gosto” escutar os hinos dos dois países, apesar de não nutrir simpatia por “nenhum” dos chefes de Estado e de Governo de Portugal e Espanha.
Em algumas ocasiões o distanciamento social não foi cumprido, tendo um desses momentos sido registado quando Marcelo Rebelo de Sousa “rompeu” o protocolo à chegada e à saída do Castelo de Elvas, cumprimentando alguns populares, na companhia do rei de Espanha, do primeiro-ministro português e do chefe do Governo espanhol.
A fronteira luso-espanhola esteve encerrada três meses e meio devido à pandemia de covid-19, com pontos de passagem exclusivamente destinados ao transporte de mercadorias e a trabalhadores transfronteiriços.