Coronavírus Covid-19
Linhas de Elvas
CCDRA 4º Trimestre 2019
El Faro - Abril 2020
Linhas em sua casa
Nabeiroauto - Abril 2020
Linhas de Elvas
Jocriauto 012020
Linhas de Elvas
Sanielvas 358x90 - Nov17
Nabeiroauto - Abril 2020
Assine Já
Jocriauto 012020

Joaquim Bastinhas: um ano de eterna saudade

Faz hoje um ano que Joaquim Manuel Carvalho Tenório, conhecido do grande público como Joaquim Bastinhas, faleceu no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

31 Dezembro 2019

O cavaleiro elvense Joaquim Manuel Carvalho Tenório, conhecido do grande público como Joaquim Bastinhas, morreu faz hoje um ano.

Aos 62 anos, Joaquim Bastinhas encontrava-se internado há dois mesesno hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, tendo sofrido complicações no pós-operatório, nomeadamente uma infecção bacteriana contraída após uma cirurgia a um pólipo no intestino. O cavaleiro foi submetido primeiramente a uma cirurgia a um pólipo nos intestinos, mas daí para a frente o estado de saúde complicou-se. Nas semanas em que esteve internado foi colocado, mais do que uma vez em coma induzido, registando inclusive ligeiras melhoras, no entanto, a sua saúde sempre inspirou cuidados de maior da equipa médica. No último dia ano de 2018, Joaquim Bastinhas não resistiu.

Uma vida dedicada à exploração agrícola, pecuária e aos cavalos


O adeus a Joaquim Bastinhas aconteceu no ano em que o cavaleiro comemorava 35 anos de alternativa, que recebera em 15 de Maio de 1983.

Recebeu a alternativa na tradicional corrida concurso de ganadarias de Évora das mãos do seu ídolo de sempre, o cavaleiro José Mestre Batista, com o testemunho de João Moura.

Filho de Sebastião e Gertrudes Tenório, Joaquim Manuel frequentou a escola primária da Boa Fé, tendo mais tarde após concluída a 4ª classe, ingressado no Colégio Luso-Britânico. Os dias passados no Monte, permitiam-lhe o contacto com os cavalos, porque o seu pai, como grande aficionado e em tempos cavaleiro amador, sempre manteve e criou estes animais.

Entretanto em 18 de Fevereiro de 1969, com 13 anos de idade, debuta na praça de toiros do Campo Pequeno, aí fazendo a sua estreia em público, num festejo de Carnaval.

Em 9 de Setembro de 1979 na praça de Vila Viçosa, Joaquim Bastinhas presta provas para cavaleiro praticante, integrado num cartel com David Ribeiro Telles, Sommer de Andrade, João Telles e António Telles frente a toiros de diversas ganadarias a concurso.

Após a alternativa é contratado para actuar a 14 de Julho de 1983 na primeira praça do País, o Campo Pequeno, e aí fazer a confirmação da mesma.

Joaquim Bastinhas viveu uma das datas mais bonitas da sua carreira, quando na noite de 10 de Julho de 2008, concedeu a alternativa ao seu filho Marcos Tenório Bastinhas, tendo como testemunhas os cavaleiros Paulo Caetano e João Moura Caetano.

A afición da família Bastinhas não se limita apenas ao toureio. A agricultura, os cavalos e o toureio são actividades diárias, no Monte das Algramassas, daí que Helena Nabeiro Tenório, grande entusiasta do cavalo, tendo inclusivamente participado entre 1987 e 1990 em provas do campeonato nacional, na modalidade de raids hípicos, tenha adquirido no ano de 2000, um grupo de éguas de raça lusitana, procedentes das coudelarias “Sommer de Andrade”, “Ortigão Costa” e “Viscondessa dos Olivais”, fundando a coudelaria “Helena Nabeiro Tenório”, que ostenta o ferro de seu sogro Sebastião Tenório e pasta no “Monte de Belver”.

Em 2013, Joaquim Bastinhas recebeu a Medalha de Ouro do Concelho de Elvas atribuída pela Autarquia, numa cerimónia no Cine-Teatro Municipal.